dicas de

prevenção

Colesterol

O colesterol é um tipo de gordura natural do corpo e agente de funções importantes no organismo. Porém, quando esse tipo de substância atinge um nível muito elevado, os cuidados com a saúde do coração devem ser redobrados.

A prevenção do colesterol está associada a hábitos saudáveis, como uma dieta alimentar rica em fibras, cuja função é reduzir a absorção de colesterol no intestino.

Uma boa forma de prevenir o surgimento do colesterol é incluir alguns alimentos no cardápio, tais como: frutas vermelhas (framboesa, amora, cereja, açaí, morango etc.), peixes (salmão, atum, sardinha e outros), chá verde, chocolate amargo, abacate, alho, azeite de oliva e vinho tinto (com moderação). Vale lembrar que o uso destes alimentos devem ser feitos sempre com moderação.

Depressão x AVC

VOCÊ SABIA? Que a depressão pode aumentar o risco de AVC e de problemas no coração? Esse risco é ainda maior em mulheres que tomam pílulas anticoncepcionais, fumam, são sedentárias e estão acima do peso. Estar deprimido é estar triste sim, mas constantemente sem ânimo para fazer nada. O paciente de depressão tem um desgaste de todo o seu organismo e apresenta inflamações decorrentes do aumento do nível de cortisol, hormônio do estresse. São essas inflamações que podem levar os vasos sanguíneos a sofrer lesões e a formarem placas que podem contribuir para um infarto ou um AVC. Por este motivo é importante estar atento e tratar a depressão como um dos fatores de risco.

Outubro Rosa

PREVENÇÃO – A campanha de conscientização contra o câncer de mama, conhecida como “Outubro Rosa”, é realizada por diversas entidades no mês de outubro e dirigida à sociedade, em especial às mulheres.

Entre os temas do movimento está a importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença. O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais frequente no mundo e, apesar de também atingir os homens, as mulheres, acima de 35 anos, são o principal alvo da campanha.

Sabe-se hoje que diversos fatores podem propiciar o surgimento do câncer de mama, como: consumo de álcool, alimentação inadequada, sedentarismo, obesidade, idade reprodutiva, histórico familiar, fatores comportamentais e mutações genéticas.

Apesar de não existir uma prevenção direta para o câncer de mama, é fundamental que as pessoas tenham conhecimento dos fatores de risco e tomem medidas preventivas que minimizem as chances de desenvolver a doença.

Como orientação geral, toda mulher após os 20 anos deve aprender e fazer mensalmente o autoexame das mamas. O primeiro exame clínico das mamas deve ser realizado aos 20 anos e repetido a cada três anos até os 40 – a partir de então, anualmente. A primeira mamografia deve ser realizada aos 35 anos, repetida aos 40 anos; a partir daí, a cada dois anos até alcançar os 50 anos, quando passa a ser realizada anualmente.

Os sinais e sintomas do câncer podem variar, e algumas mulheres que têm câncer podem não apresentar nenhum destes sinais e sintomas. De qualquer maneira, é recomendável que a mulher conheça suas mamas, e saiba reconhecer alterações para poder alertar o médico.

A melhor época do mês para que a mulher que ainda menstrua avalie as próprias mamas para procurar alterações são alguns dias após a menstruação, quando as mamas estão menos ingurgitadas (inchadas). Nas mulheres que já estão na menopausa, este autoexame pode ser feito em qualquer época do mês.

Alterações devem ser relatadas ao seu médico, mesmo que elas tenham aparecido pouco tempo depois de uma mamografia ou do exame clínico das mamas feito pelo profissional de saúde.

Antiácido

VOCÊ SABIA? – O uso prolongado e em altas doses de antiácido para combater a azia pode causar má absorção de nutrientes, vitaminas e minerais, podendo ainda causar fraturas e infecções.

A acidez, a indigestão e o ardor no estômago são alguns dos termos usados para descrever as queixas gastrointestinais. O autodiagnostico de uma indigestão é arriscado, porque as causas podem ir de uma imprudência menor na dieta a uma úlcera péptica, ou mesmo a um cancro do estômago.

Cria-se uma dependência, muitos usuários fazem uso prolongado quando têm azia ou refluxo, mascarando uma doença gástrica. O ideal seria fazer mudanças no hábito de vida e um acompanhamento médico.

Descongestionantes Nasais

VOCÊ SABIA? Os descongestionantes nasais podem causar riscos à saúde. A poluição, o ar seco e os agentes que causam alergia trazem dificuldades respiratórias e atacam a rinite e a sinusite nas pessoas que sofrem dessas doenças. Para aliviar os sintomas do nariz entupido, muita gente faz uso de descongestionantes nasais, o que lhes permite voltar a respirar normalmente. Mas deve ser ressaltado que esse tipo de medicamento traz apenas um alívio imediato e mascara a causa do problema, que precisa ser identificada e tratada de maneira correta. O uso de descongestionantes nasais pode acarretar futuros problemas de saúde. Se o uso não for prolongado, até cinco dias, o descongestionante nasal pode ajudar a trazer o alívio, mas se aplicado continuamente, por dez dias ou mais, pode gerar problemas cardíacos, risco de trombose, arritmia cardíaca e até infarto do miocárdio. É uma medicação que deve ser indicada por um médico.

Hiperhidrose Axilar

VOCÊ SABIA? A HIPERHIDROSE AXILAR é o excesso de suor localizado nas axilas e pode gerar constrangimento social e desconforto. É muito difícil conseguir controlar a sudorese excessiva. As pessoas acabam aprendendo que reduzir o nível de ansiedade talvez acalme os sintomas e diminua a intensidade do suor, mas que é quase impossível controlar a manifestação do problema. O tratamento para suor excessivo causado por hiperidrose costuma ser clínico ou cirúrgico. Nos casos mais leves, podem ser indicados medicamentos orais e de uso tópico. A aplicação de botox também ajuda a controlar a sudorese. Quadros mais grave, porém, podem exigir intervenção cirúrgica. Nelas, ocorre a retirada das glândulas sudoríparas das axilas.

Cinto de Segurança

PREVENÇÃO – A importância do uso do cinto de segurança no banco traseiro.

O uso correto do cinto de segurança (tanto no banco da frente quanto no banco traseiro) é um dos fatores que contribuem, significativamente, para o aumento da probabilidade da preservação da vida em caso de acidentes e também com a redução de lesões físicas nos ocupantes do veículo. Apesar da exigência prevista no Código de Trânsito Brasileiro, grande parcela da população desobedece a norma.

O cinto de segurança reduz o risco de mortes e lesões graves em acidentes porque impede a colisão contra o volante e o painel, bem como o choque entre passageiros, e evita também que a pessoa seja arremessada para fora do veículo, no caso de capotamento. O uso do equipamento pode reduzir em até 75% o risco de morte, segundo a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, por isso sua importância.

Lembre-se, é obrigação do motorista solicitar que todos os ocupantes do veículo coloquem seus respectivos cintos.

Bronquite

PREVENÇÃO – Bronquite é uma inflamação dos brônquios, canais que conduzem o ar inalado até os alvéolos pulmonares. É importante tomar medidas preventivas para reduzir o risco de desenvolver bronquite, especialmente quando os casos de bronquite são frequentes durante o ano. Os conselhos úteis para reduzir o risco de bronquite e para proteger os pulmões são:

  • Limite de exposição aos vírus que causam bronquites; evitar, sempre que possível, entrar em contato com pessoas resfriadas ou com gripe;
  • quando possível, vacine-se contra a gripe no outono ou inverno; numerosos casos de bronquite são provocados pelo vírus influenza;
  • lave as mãos com frequência e utilize desinfetantes;
  • não fumar e evitar a exposição ao fumo passivo, a fim de reduzir o risco de contrair, sobretudo, uma bronquite crônica ou enfisema pulmonar;
  • use umidificador no cômodo em que você estiver; o ar muito seco (mas também muito úmido!) pode causar problemas respiratórios, incluindo a bronquite.

Gastrite

VOCÊ SABIA? Gastrite significa inflamação da mucosa do estômago e pode ser aguda ou crônica. Os sinais e sintomas incluem: sensação de queimação, dor ou indigestão na região superior do abdome, que pode melhorar ou piorar com a alimentação; náuseas; vômitos; perda de apetite; sensação de plenitude gástrica depois da alimentação; aumento dos gases ou sensação de inchaço no estômago; perda de peso.

Para muitas pessoas, no entanto, a gastrite crônica não causa sinais ou sintomas. O tratamento está relacionado ao agente causador, por isso a importância de se procurar o médico com urgência.

DICAS:

  • Respeite os horários das refeições (separar algum tempo para café da manhã, almoço e jantar tranquilos não é luxo, é necessidade).
  • Prefira fazer pequenas refeições ao longo do dia a fazer uma grande refeição depois de muitas horas em jejum.
  • Mastigue bem os alimentos, pois a digestão começa na boca.
  • Dê preferência a frutas, verduras e carnes magras.
  • Não fume.
  • Evite tomar analgésicos, café, bebidas alcoólicas e as que contêm cafeína.

Cadeirinha

CADEIRINHA – Médicos, socorristas e outros profissionais da saúde fazem um alerta sobre cuidados com bebês e crianças no carro. É importante ficar atento e prevenir a segurança deles, colocando-os em cadeirinhas adequadas, utilizando cinto próprio para cada idade. Recomendações de segurança para o transporte de crianças e bebês:

  • Trave a abertura das portas traseiras. De preferência, use a trava que impede a abertura da porta por dentro.
  • Mantenha os vidros quase fechados, permitindo apenas a entrada de ar para ventilação.
  • Nunca transporte crianças no colo.
  • Não utilize o mesmo cinto de segurança para mais de uma criança.
  • Não utilize cinto de adulto.

Asma

VOCÊ SABIA? Somente no Brasil, a asma atinge cerca de 10% da população, índice bastante elevado em comparação a outras doenças.

A asma é uma doença inflamatória crônica, ou seja, uma inflamação que sempre volta a acontecer. Ela acomete as vias aéreas do corpo humano e provoca falta de ar e tosse. A grande diferença entre uma pessoa com asma e outra não asmática é a maior sensibilidade dos pulmões do asmático.

Os pulmões com asma funcionam como se seus brônquios fossem mais sensíveis e inflamados do que os saudáveis.

Isso faz com que pequenas quantidades de fatores irritantes aos pulmões (como pequenos focos de fumaça), que em pulmões normais não gerariam reações, atuem nos asmáticos como se essa irritação fosse maximizada, provocando o fechamento dos brônquios.

São sintomas das pessoas que sofrem de asma:

  • ter padrão de respiração anormal
  • respiração para temporariamente
  • dor no peito
  • aperto no tórax
  • tosse com ou sem secreçãorepuxar a pele entre as costelas durante a respiração
  • deficiência respiratória que piora com exercício ou atividade e respiração ofegante, que pode ser pior à noite ou no início da manhã e agrava quando se inspira ar frio, com exercício e com azia.

Queimaduras

VOCÊ SABIA? – Em caso de acidente envolvendo queimaduras, o primeiro cuidado é extinguir a fonte de calor, ou seja, impedir que permaneça o contato do corpo com o fogo, líquidos e superfícies aquecidas, entre outras causas do acidente. Em seguida, procure lavar o local atingido com água corrente em temperatura ambiente, de preferência por tempo suficiente até que a área queimada seja resfriada.

As queimaduras são classificadas em:

  • Queimadura de 1º grau – atinge somente a epiderme (camada mais superficial da pele). Caracteriza-se por dor e vermelhidão no local queimado.
  • Queimadura de 2º grau – atinge a epiderme e a derme (camada localizada abaixo da epiderme). Caracteriza-se por dor, vermelhidão e formação de bolhas.
  • Queimadura de 3º grau – atinge todas as camadas da pele, inclusive o tecido gorduroso e os nervos, podendo alcançar inclusive os ossos. Caracteriza-se por pouca dor, já que destrói as terminações nervosas de sensibilidade. A pele fica seca, dura, enrugada, escurecida ou esbranquiçada.

ATENÇÃO!

Em hipótese alguma nos casos de queimaduras deve-se:

  • Retirar qualquer pedaço de roupa ou tecido que porventura ficarem agarrados à pele da vítima;
  • Estourar as bolhas que se formaram, nem retirar a pele das que já estouraram; – Aplicar gelo sobre as queimaduras, pois ele também causa queimaduras;
  • Aplicar receitas caseiras como manteiga, creme dental e outros.

Conjuntivite

VOCÊ SABIA? – A conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, membrana transparente e fina que reveste a parte da frente do globo ocular (o branco dos olhos) e o interior das pálpebras. Ela pode ser infecciosa – causada por vírus, bactérias, fungos ou protozoários – ou então não-infecciosa, provocada por alergias e por produtos químicos.

SINTOMAS:

  • Olho vermelho e lacrimejante;
  • Inchaço nas pálpebras;
  • Intolerância à luz;
  • Visão embaçada e Visão borrada;
  • A secreção da conjuntivite viral – esbranquiçada, em pequena quantidade
  • A secreção da conjuntivite bacteriana – amarelada e em grande quantidade

CUIDADOS:

  • Pequenas atitudes tomadas no dia-a-dia, quando se está com a doença, evitam o contágio:
  • Lave sempre o rosto e as mãos;
  • Não compartilhe toalhas e troque-as com frequência, se possível utilize toalhas de papel;
  • Ao usar pomadas e colírios, também higienize as mãos;
  • Não compartilhe maquiagens, esponjas ou qualquer produto de beleza;
  • Evite coçar os olhos;
  • Não fique em aglomerações nas piscinas – há grande chance de transmitir às outras pessoas;
  • Não fique exposto a agentes químicos.
  • Utilize óculos de sol para evitar contato com a luz.

Neuralgia do Trigêmeo

VOCÊ SABIA? A Neuralgia do Trigêmeo foi considerada pela medicina como a pior dor do mundo. Trata-se de um distúrbio que provoca uma dor muito forte na região do rosto por onde passa o nervo trigêmeo. Difícil de ser detectada, os que sofrem com esse problema relatam que a dor é tão intensa que numa escala de zero a dez, é a única que atinge o nível máximo.

A neuralgia do trigêmeo, ou nevralgia do trigêmeo, é uma doença que afeta o quinto nervo craniano. Ele se divide em três ramos: o mandibular, o oftálmico e o maxilar. A dor surge quando o trigêmeo é afetado por uma artéria ou por um tumor, que acabam comprimindo o nervo. Nos momentos de crise, a pessoa sente um choque e a dor se espalha por várias partes do rosto e pode durar de alguns segundos até alguns minutos. A maioria das pessoas com neuralgia apresentam vários episódios de dor em um dia. Esse quadro, normalmente, é bastante incapacitante.

Sabe-se que algumas atividades podem levar aos ataques de dor, conhecidos como gatilhos. Estes podem incluir: o toque no rosto do paciente, mastigação, a fala, escovar os dentes, sorrir e o contato do rosto com ar frio.

Tratamento: A primeira opção terapêutica deve ser sempre o controle medicamentoso. Os médicos podem usar diferentes tipos de remédios para tratar a doença, entre eles as medicações para prevenir convulsões, chamadas de antiepilépticos. Caso os resultados com o tratamento medicamentoso não produzam o efeito esperado ou causem efeitos colaterais intoleráveis, o paciente deve conversar com o seu médico para outras opções terapêuticas, como os tratamentos cirúrgicos.

Enxaqueca

VOCÊ SABIA? – A enxaqueca é uma doença crônica caracterizada por crises de dor de cabeça autolimitadas, devido a uma disfunção transitória do cérebro. Os sintomas da enxaqueca são de dor de cabeça, geralmente do tipo pulsátil, latejante; tipicamente em um lado da cabeça, acompanhada de náusea, às vezes vômitos, e sensibilidade à luz e sons. Inchaço na pálpebra e no rosto podem acontecer durante a crise.

O tratamento da enxaqueca leva em consideração as características da dor e a frequência das crises. O objetivo é suprimir os sintomas e evitar a incidência de novos eventos. Nos episódios agudos, os analgésicos comuns, eventualmente associados a outras drogas, podem representar uma solução eficaz contra a dor, especialmente se tomados assim que surgirem os primeiros sintomas.

CUIDADO: o uso repetido desses remédios, podem resultar num efeito rebote cujo resultado é o agravamento dos sintomas.

DICAS:

  • Não pule refeições. Jejum prolongado é um dos principais fatores desencadeantes das crises;
  • Pratique exercícios físicos regularmente;
  • Estabeleça horários para deitar-se e levantar-se e procure respeitá-los.

HIV x AIDS

VOCÊ SABIA? – Há diferença entre HIV e AIDS.

É muito comum escutarmos pessoas com muitas dúvidas ao empregar os termos HIV e AIDS em suas conversas. Afinal, são nomenclaturas interligadas, mas que possuem diferenças entre si.

A AIDS é a síndrome da imunodeficiência adquirida, doença causada pela contaminação através dos retrovírus HIV-1 e HIV-2, pertencentes à família Lentiviridae. Com ela, o portador do vírus passa a registrar o aparecimento das doenças oportunistas devido à queda na imunidade causada pelo HIV.

A transmissão do vírus se dá por via sexual (esperma e secreção vaginal); pelo sangue (via parenteral e vertical); e através da amamentação. O portador do HIV se torna transmissor desde o momento da infecção. É bom lembrar que quem tem HIV será sempre um transmissor do vírus. Quem tem AIDS necessariamente precisa ter o HIV, porém nem todo portador do HIV tem AIDS.

A doença se manifesta através de sinais e sintomas que, na fase de infecção aguda, pode ser de infecção viral como febre, perda de peso, náuseas e vômitos, entres outros. O diagnóstico da doença é obtido através de exame laboratorial.

Obesidade Infantil

OBESIDADE INFANTIL – Segundo dados do Ministério da Saúde, uma em cada três crianças estão acima do peso no Brasil. A obesidade infantil tem aumentado sistematicamente, e atribuem-se a isso fatores hereditários, maus hábitos alimentares e sedentarismo. Os períodos mais propícios para o desenvolvimento da obesidade infantil são o primeiro ano de vida e a fase pré-escolar. A obesidade infantil preocupa ainda mais porque o risco de ela ser persistente na idade adulta é grande. Por isso uma alimentação saudável deve ser incentivada desde a infância.

Pneunomia

VOCÊ SABIA? – A pneumonia é uma inflamação nos pulmões que pode ser causada por infecção de bactérias, vírus, fungos ou outro parasita. Os sintomas mais frequentes são: febre, tosse inicialmente seca que evolui para tosse produtiva, respiração rápida (taquipneia), dor no peito ou dor torácica, que torna-se mais forte com os movimentos respiratórios e com a tosse, sudorese, calafrios, dor muscular, dor de cabeça, perda de apetite, fraqueza, náuseas, vômitos.

O melhor remédio para os pulmões é beber pelo menos dois litros de água por dia. Como o muco é um mecanismo de defesa do pulmão e seu principal hidratante, beber água facilita a eliminação de qualquer elemento estranho que neles penetre, principalmente para quem trabalha em ambiente com ar condicionado, já que ele é um grande fator de risco para pessoas desenvolverem a inflamação.

Osteoporose

VOCÊ SABIA? – A osteoporose é uma doença caracterizada por uma degeneração óssea. Os osso perdem a força e podem causar dores e lesões com maior facilidade. É muito difícil de ser diagnosticada por ser assintomática, ou seja, é uma doença silenciosa. Costuma ser mais comum em mulheres que em homens, em torno dos 50/60 anos. Os maiores riscos de desenvolver a osteoporose são os fumantes, consumidores de álcool e café (em excesso), diabéticos, sedentários, pessoas com doença gastrointestinal (por prejudicar a absorção dos nutrientes), organismo com falta de cálcio e vitamina D.

Um cuidado para evitar ou retardar o aparecimento da doença é ter uma dieta diária que inclua alimentos ricos em cálcio (leite, queijo, iogurtes), caminhar, andar de bicicleta, nadar, correr e também exercícios com pesos para manter o tônus muscular.

A prescrição de suplementos de cálcio para prevenir ou tratar doenças ósseas, em especial a osteoporose, tornou-se nos últimos anos conduta comum, principalmente para pacientes acima dos 50 anos. Os comprovados benefícios na manutenção da massa óssea, aliados ao baixo custo, deram ao produto status de principal protetor contra o desgaste ósseo. Além disso, a venda livre faz com que a automedicação seja corriqueira. Como todo medicamento, porém, o consumo indiscriminado pode trazer riscos. No caso dos suplementos de cálcio há evidências de que podem estar associados ao aumento do risco de problemas cardíacos.

Sete dicas para idosos viverem melhor

VOCÊ SABIA? Sete dicas para idosos viverem melhor:

Segundo dados do IBGE, a expectativa de vida dos brasileiros cresceram para 74,9 anos.

Em 2002, a expectativa era de 71 anos. Essa nova média estimula os idosos a cuidar da saúde e manter uma vida mais saudável e ativa.

A Fisioterapia geriátrica, por exemplo, vem sendo uma técnica bastante reconhecida e utilizada para beneficiar o bem estar dos idosos, uma vez que contribui com diversos fatores corporais como: maior capacidade de locomoção e equilíbrio; coordenação das funções; aumento da força muscular; aumento das funções da memória do idoso; garante a independência e o conforto na realização de atividades. Neste caso, a prática “home care” é ideal para os idosos que têm receios e dificuldades em se locomover até mesmo em uma clínica de fisioterapia. O método é realizado dentro da própria casa, dando maior comodidade e empenho ao paciente.

Contudo, juntamente com a fisioterapia domiciliar, outras práticas são importantes para manter uma vida prazerosa e saudável. Vejam a seguir sete dicas que podem contribuir:

1-) Aprenda algo novo
Nunca é tarde para descobrir coisas novas. Procure atividades diferentes que podem despertar novas aptidões, como, por exemplo, teatro, dança, aula de línguas ou trabalhos voluntários.

2-) Alimente-se bem
Abuse de frutas, verduras e legumes; eles ajudam a combater o processo de desgaste das células – o que nos faz envelhecer. Alimente-se a intervalos de, no máximo, 3 horas.

3-) Movimente-se
Exercícios trazem diversos benefícios a saúde. Busque uma atividade que lhe dê prazer ou simplesmente saia de casa, caminhe ao ar livre. Invente um passeio, mesmo que seja a um local do bairro, como de costume;

4-) Exercite a mente
Exercite o cérebro com atividades que forcem a mente a pensar, busque atividades como, ler, escrever, mexer com as mãos etc.

5-) Faça exames regulares
Realize, pelo menos, uma vez ao ano um “check up” em sua saúde. Verifique se tudo está em ordem. Problemas como diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares, podem ser tratados com sucesso se detectados precocemente.

6-) Durma bem
O tempo de sono não é igual para todos e nem para todas as idades. Precisamos dormir bem em todas as idades. Procure descobrir qual é seu tempo necessário de sono. Problemas como depressão, perda de memória e do sistema imunológico serão evitados.

7-) Evite o stress
Ser otimista ajuda a evitar o stress e, consequentemente, reduz os sinais de envelhecimento. Cultive o bom humor e poupe sua saúde emocional. Envelhecer gera diversas fragilidades e cuidados. Portanto, siga com uma vida saudável, de forma responsável e consciente. Zele por sua existência, assim, verá ao longo do tempo que todos os esforços para a vitalidade valeram a pena.

Post Colaborativo SP Home Care

Primeiros socorros

VOCÊ SABIA? – Os primeiros socorros, em caso de fratura, envolvem identificar o tipo, solicitar ajuda médica, manter a pessoa calma e aquecida. É importante deixar o local afetado em um nível elevado, para caso de interrupção na circulação sanguínea e imobilização do osso atingido com uma tala ou similar. O que não se pode fazer jamais é movimentar a vítima, dar alimento ou água até a ajuda chegar. Atenção: as fraturas expostas exigem cuidados especiais, portanto, cubra o local com um pano limpo ou gaze afim de evitar uma possível hemorragia e diminuir o risco de infecção da área exposta.

Entenda a diferença entre lesões superficiais e graves

Traumas e lesões nos olhos – como quedas, socos, batidas e pequenos cortes – podem confundir o indivíduo que foi machucado. Mesmo sofrendo lesões leves, a dor pode ser aguda nas primeiras horas e pode ocorrer a formação de um hifema – aquele acúmulo de sangue que deixa o olho intensamente tingido de vermelho. Para avaliar a gravidade do caso e não se desesperar à toa – ou mesmo ganhar tempo, nos casos mais graves – a indicação mais importante é a visita a um oftalmologista imediatamente após o acidente.

De acordo com o médico oftalmologista do Hospital Israelita Albert Einstein, Dr. Claudio Luiz Lottenberg, presidente do HIAE, o hifema é bastante comum em traumas oculares.

A avaliação de um oftalmologista é essencial para classificar a quantidade de sangramento e medir o nível de pressão intraocular

“Nas primeiras 24 horas após uma lesão ocular, o sangue que extravasa para o interior da pele em torno do olho normalmente produz uma equimose, conhecida popularmente como ‘olho preto’. Quando ocorre a ruptura de um vaso sanguíneo, a superfície do olho fica avermelhada, por conta de um sangramento que normalmente é de pequena intensidade”, explica o médico.

Lesões superficiais

Segundo o oftalmologista, o hifema é uma lesão superficial e tem incidência maior em jovens do sexo masculino. “Dependendo da intensidade e do mecanismo do trauma, pode deixar a visão parcial ou completamente bloqueada. Algumas complicações, como o aumento da pressão intraocular e a impregnação de sangue na córnea, também podem interferir na capacidade visual após o trauma”, afirma.

Lesões Graves

Já as lesões internas do olho, quando ocorrem, são frequentemente mais graves que a lesão superficial. Nestes casos, o sangramento na câmara localizada na parte anterior do olho e a pressão na parte interior podem tornar a córnea manchada de sangue e consequentemente podem reduzir a visão – como a catarata – ou aumentar o risco de glaucoma durante o resto da vida.

Nas lesões internas, o sangue pode vazar para o interior do olho, a íris (a parte colorida) pode ser danificada ou o cristalino pode ser deslocado. Também podem ocorrer hemorragias e descolamento da retina – no início, causam a sensação de imagens com formas irregulares ou flashes de luz e deixam a visão borrada; em seguida, acontece a redução acentuada da capacidade visual. Nas lesões graves, o globo ocular pode chegar a se romper.

Avaliação do oftalmologista

“Seja no caso de lesões superficiais ou graves, a avaliação de um oftalmologista é essencial para classificar a quantidade de sangramento e medir o nível de pressão intraocular”, afirma o oftalmologista do HIAE.

Para indivíduos que sofreram lesões leves, os principais cuidados são minimizar os esforços físicos, aumentar a ingestão de líquidos, manter postura elevada no leito e monitorar constantemente a estrutura ocular.

O tratamento é realizado à base de repouso e anti inflamatórios. Pode haver a necessidade de uma intervenção cirúrgica nos casos de falta de controle da pressão intraocular ou de impregnação da córnea por sangue.

O risco de novos sangramentos varia de 1 a 38%. Eles ocorrem, frequentemente, entre o segundo e o quinto dia após o trauma.

Quando seguido corretamente, o tratamento é eficaz e o trauma não deixa sequelas severas.

Proteção natural

A estrutura da face tem a finalidade de proteger os nossos olhos contra lesões. Além do globo ocular estar localizado em uma cavidade circundada por uma borda óssea forte, as pálpebras funcionam como barreiras quando são fechadas, fazendo com que o olho consiga suportar um impacto leve sem ser lesado.

“Apesar dessa proteção, eventualmente podem ocorrer traumas na região do olho. Quando acontecer, a indicação é procurar a avaliação imediata de um oftalmologista, preservando os olhos de problemas mais graves”, alerta Dr. Claudio Lottenberg.

Fonte: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein

AVC

VOCÊ SABIA? A cada seis segundos, no Brasil, uma pessoa sofre um acidente vascular cerebral (AVC), popularmente chamado de “derrame”, que é considerado uma das maiores causas de morte no país.

Existem dois tipos: o Isquêmico, mais comum, é causado pela falta de sangue em determinada área do cérebro, decorrente da obstrução de uma artéria; e o Hemorrágico, que é causado por sangramento devido ao rompimento de um vaso sanguíneo.

Contudo, os médicos têm uma boa notícia sobre o AVC: em 90% dos casos, eles podem ser evitados com prevenção. Abolir o fumo, cuidar da hipertensão, controlar o máximo possível o colesterol e ter uma alimentação mais saudável são formas de auxiliar no combate à doença.

Estresse

VOCÊ SABIA? Como controlar os males do estresse:

O estresse pode tornar uma pessoa irritada, impaciente e impossibilitada de se concentrar em tarefas. Outras pessoas perdem o sono ou descontam a ansiedade comendo alimentos nada saudáveis.

Para os que sofrem diariamente com situações de estresse existem boas notícias: independentemente da falta de tempo e do número de obrigações a serem cumpridas, sempre há uma maneira de controlar o estresse.

Causas do estresse

Basicamente, o estresse surge devido ao número de exigências e obrigações, de diversos níveis que as pessoas recebem todos os dias. Essas exigências são físicas, mentais, emocionais, e até mesmo de natureza química. A palavra “estresse” é utilizada tanto a situação estressante quanto os sintomas vivenciados sob sua influência (resposta ao estresse).

O estresse ativa o sistema nervoso simpático, estimulando a liberação de hormônios por todo o corpo da pessoa estressada. Esses hormônios dão energia a pessoa, como a reação de “luta ou fuga” (espécie de “alarme” que toca internamente em situações que o corpo se encontra em perigo).

A reação de “luta ou fuga” faz o coração bater mais rápido. A pessoa pode se sentir muito nervosa e com dificuldades para respirar. A curto prazo, a reação de “luta ou fuga” provoca modificações que permitem à pessoa lidar com situações de estresse.

Quando a situação de estresse é enfrentada (ou mesmo quando algum acontecimento estressante é apenas lembrado), as alterações hormonais deixam o corpo em estado de grande excitação, preparando a pessoa para a ação.

O estresse pode ser positivo (como a ansiedade antes de uma festa de aniversário ou recebimento de algum prêmio, por exemplo) ou negativo (discussão no trânsito ou briga com chefe, por exemplo), dependendo da situação. Se contínuos, podem levar à perda de produtividade, problemas de saúde e exaustão.

Quais são os sintomas?

Os sintomas do estresse variam bastante entre uma pessoa e outra, mas geralmente, todas as pessoas se sentem pressionadas e sobrecarregadas. Outros sintomas são:

  • Queixas de dores físicas (dores de estômago, de cabeça, no peito, náuseas, diarreia, sensação de dormência ou formigamento em mãos, braços e rosto).
  • Mudanças de comportamento em casa (choro sem motivo, raiva inexplicável, explosões temperamentais).
  • Problemas para adormecer, pouco sono ou sono exagerado, pesadelos.
  • Dificuldade de comunicação e alterações na personalidade, como exigir mais atenção que o usual ou se tornar uma pessoa quieta.
  • Impaciência, intolerância e irritabilidade.
  • Quem está vivenciado algumas dessas características tem chances de estar em um nível alto de estresse. Se não controlado, o estresse pode levar a sentimentos permanentes de desamparo, ou mesmo ao desenvolvimento de doenças como a depressão e ansiedade.

Muitas vezes os sintomas do estresse são confundidos com estas doenças. Uma das principais formas de diferenciar é que o estresse normalmente cede quando a situação estressante é afastada.

Seis estratégias para controlar o stress

1-) Identifique as fontes do estresse

Tente descobrir os desencadeantes. Você se sente ansioso antes de uma prova? Está com a agenda cheia de compromissos? Talvez você esteja além do limite, e se sente irritado e cansado. Após identificar as fontes, tente minimizá-las o máximo possível.

2-) Fale e compartilhe
Explique ao seu professor que está tendo problemas com alguma matéria, por exemplo. Converse com amigos sobre como está se sentindo. Expor os sentimentos sem ser julgado é essencial para manter uma boa saúde mental e lidar melhor com estresse.

3-) Reserve mais tempo para você
Antes que você chegue ao limite máximo, procure um tempo para ficar só. Um tempo para fazer o que quiser, longe das preocupações e responsabilidades do mundo. As vezes este tempo tem que ser obrigatório, ou seja, reservado para uma atividade de relaxamento ou lazer.

4-) Defina limites
Não tenha medo de dizer “não” antes de assumir um grande número de compromissos, especialmente se você está equilibrando seu tempo entre faculdade, trabalho e atividades extracurriculares. É importante saber definir as prioridades para não se sobrecarregar. Dizer “não” pode, além de ajudá-lo a controlar o estresse, dar-lhe mais controle sobre sua vida.

5-) Controle a respiração
Respirar pode medir e alterar o seu estado psicológico, fazendo um momento estressante aumentar ou diminuir de intensidade. Prestando atenção em sua respiração. Inspirar profundamente e em seguida soltar o ar lentamente é uma excelente técnica para se sentir mais relaxado.

6-) Exercite-se diariamente
Exercícios aumentam a liberação de endorfina, substâncias produzidas naturalmente no cérebro que trazem sentimentos de tranquilidade. Muitos estudos mostram que o exercício, juntamente com o aumento da liberação de endorfina, realmente faz aumentar a confiança e a autoestima e reduzir tensões. Além do mais, se você já andou por vários quilômetros, você sabe como é difícil pensar em seus problemas quando a sua mente está focada em andar.

O stress pode deixar as pessoas doentes?

O problema do estresse é que ele é cumulativo. Em outras palavras, se você não tiver uma boa maneira de lidar com o estresse ou contrabalançar a reação de “luta ou fuga”, a constante exposição aos hormônios sobrecarregam o corpo.

Alterações nos níveis de hormônios produzidos pelo stress podem prejudicar a saúde. Quando os níveis de stress aumentam, acontece uma superprodução de hormônios que enfraquecem o sistema imunitário. Isto pode levar a problemas físicos e psicológicos.

Quando devo procurar ajuda?

Quando o estresse interromper a sua vida, causando problemas na hora de dormir ou fizer você se sentir ansioso e fora de controle, fale com um profissional da saúde. Ele poderá recomendar um terapeuta que poderá oferecer apoio e dar-lhe alguns conselhos práticos na forma de lidar com o estresse sem deixá-lo assumir a sua vida.

Um sinal de alerta é quanto a sensação de estresse invade situações não relacionadas a ele, como o convívio social, familiar e os momentos de lazer.

Infarto

VOCÊ SABIA? Dor no peito não é o único sinal do infarto. Ela pode irradiar-se para as costas, mandíbula, braço esquerdo e, mais raramente, para o braço direito. A dor quase sempre é intensa e prolongada, acompanhada de sensação de peso ou aperto sobre o tórax. Deve-se ficar atento caso esse desconforto venha acompanhado de vômitos, suor frio, fraqueza, palpitações e falta de ar. Procure um serviço de ambulatorial de emergência, evite grandes esforços, afrouxe a roupa e respire profundamente.

Dengue x Zika

VOCÊ SABIA? Apesar da epidemia de dengue vivida hoje no Brasil, essa não é a única doença transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti. As autoridades estão preocupadas com outras duas ligadas ao mesmo transmissor, que são Chikungunia e Zika. Os sintomas são semelhantes.

Não se enganem, as doenças são diferentes e devem ser tratadas o quanto antes. Repouso e ingestão de líquidos é o mais indicado.

Apesar de estarmos no verão, as chuvas são frequentes nessa época do ano aumentando os casos de dengue e zika no país. Já é de conhecimento que o Aedes Aegypti é transmissor dessas doenças e que água acumulada é o seu criadouro. Saiba quais são os sintomas de cada uma delas e entenda sua diferença.

DENGUE – O grupo de vírus (sorotipo 1, 2, 3 e 4), que circula no País há tempos e deixa vítimas todos os anos, é considerado o mais perigoso dos três. A infecção causa febre alta, dores no corpo, dores atrás dos olhos e a tão temida queda de plaquetas, que pode causar hemorragias sérias.

Mais perigosa em crianças, idosos e pessoas com doenças crônicas, ainda não há tratamento para a dengue, apenas alívio dos sintomas e acompanhamento médico. O medicamento usado para aliviar a febre e as dores, no entanto, jamais pode ser o ácido acetilsalicílico (AAS), por causa do aumento de risco de sangramentos.

ZIKA – Apesar de a febre ser mais baixa, das dores no corpo serem menos intensas e de até 80% das pessoas que contraem o vírus não apresentarem sintomas, levantou-se a possibilidade do zika aumentar a incidência da síndrome de Guillain-Barré, uma doença autoimune que costuma aparecer 15 dias depois da infecção pelo vírus, causa fraqueza muscular e pode até levar à morte.

Um dos sinais que diferenciam o zika vírus das outras doenças é a erupção cutânea. Manchas na pele são sinais relatados por quem teve a doença. Além disso, a conjuntivite parece ser uma consequência desse vírus e está menos presente nas outras doenças.

Crise Convulsiva

O corpo sofre contrações musculares intensas e involuntárias. A pessoa se debate, pode ficar arroxeada, lábios e dentes ficam cerrados e há salivação excessiva. Na maioria das vezes, ocorre perda de consciência. Essa é a descrição feita por quem já presenciou uma crise convulsiva, condição que ocorre repentinamente.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), até 10% da população mundial tem, ao menos, uma convulsão durante toda sua vida.

Diante de uma situação como essa, esqueça o que diz a crença popular e jamais tente abrir a boca de alguém que esteja tendo uma convulsão. “A mandíbula é muito forte. A orientação é virar a pessoa de lado para que ela não aspire saliva”, alerta Gisele Sampaio Silva, gerente médica do Programa Einstein de Neurologia. Essa posição evita que a língua obstrua a passagem do ar e também que a pessoa se engasgue.

A coloração arroxeada é resultado da forte contração dos músculos respiratórios. “Em alguns casos, a pessoa pode gritar, também resultado dessa contração. Colocar a mão na boca não vai resolver e quem está ajudando ainda corre o risco de se machucar seriamente”, explica Dra Gisele.

Outra medida importante é tirar a pessoa de perigo. Para isso, coloque-a deitada no chão, mantenha-a afastada de objetos cortantes e móveis, e, se possível, retire colares e óculos e proteja a cabeça com uma almofada, travesseiro ou algo macio. Não jogue água no rosto da pessoa.

As crises em geral duram cerca de dois minutos, mas podem se estender por até cinco. “Se o tempo for superior a esse, acione uma ambulância ou leve a pessoa a um hospital. A crise convulsiva é sintoma de uma condição neurológica aguda ou de epilepsia e deve ser abordada como urgência médica em quem nunca a teve”, aconselha Luis Otávio Caboclo, coordenador médico do setor de Neurofisiologia Clínica do Einstein.

Quando a crise termina, é normal haver sonolência, dor de cabeça e confusão mental. Esse estado, chamado de pós-ictal, pode durar de uma a duas horas. Nesse período, evite dar de comer ou beber à pessoa, pois os movimentos ainda podem estar descoordenados.

Pedra na Vesícula

Uma dor aguda semelhante a uma cólica ou gastrite pode ser sinal de cálculo. Saiba quais são alguns dos fatores de risco e mantenha o alerta sempre ligado.

Além de acometer ambos os sexos, da faixa etária dos 35 aos 65 anos e quem possui histórico familiar, são as pessoas mais propensas a desenvolverem a doença.

Como resultado da ação do estrogênio, as mulheres com mais de uma gestação ou que façam uso de hormônio também entram no quadro dos fatores de risco.

Excesso de peso, colesterol alto e sedentarismo compõem os sinais de cálculo. Além disso, uma dieta rica em gorduras e carboidratos e pobre em fibras e o fumo também auxiliam a acionar o gatilho na formação de cálculos.

Lembre-se: alguns cálculos na vesícula podem ser assintomáticos, mas outros provocam dor intensa do lado direito superior do abdome que se irradia para a parte de cima da caixa torácica ou para as costelas. A dor normalmente aparece meia hora após uma refeição, atinge um pico de intensidade e diminui depois. Pode vir ou não acompanhada de febre, náuseas e vômitos.

Hipertensão Arterial

A hipertensão arterial é um dos problemas médicos mais comuns. É muito sério, porque é silencioso e só reconhecido pelas lesões dos órgãos atingidos. É uma doença vascular de todo o organismo e deixa “marcas” nos órgãos atingidos: coração, cérebro, rins, vasos e visão.

Por isso, esta data tem o objetivo de conscientizar as pessoas sobre os cuidados básicos para prevenir a hipertensão, um mal que atinge entre 25% e 30% da população brasileira adulta, chegando a mais de 50% após os 60 anos. Além disso, é responsável por 40% dos infartos, 80% dos derrames e 25% dos casos de insuficiência renal terminal no país.

Entre os principais fatores que podem levar a hipertensão está o sobrepeso e obesidade, a má alimentação (muito consumo de sal), o sedentarismo, o tabagismo e, em alguns casos, o fator hereditário (indivíduos com pais hipertensões têm 30% de chances de também ser hipertenso).

Uma alimentação equilibrada e balanceada, livre de gorduras prejudiciais ao organismo é uma das formas de prevenir a doença. A gordura saturada, por exemplo, está presente em carnes gordas e por estar tão ligada a doenças do coração, deve ser consumida com atenção. A quantidade de sal também deve ser reduzida, já que seu uso eleva os índices de pressão arterial. Os hábitos saudáveis e uma carga de exercícios frequentes e com acompanhamento específico, ajudam a proteger o nosso motor não só de doenças mais complexas, como o infarto, como também colaboram para prevenir a pressão alta.

Estomatite

Termo geral utilizado para se referir a inflamações ou a doenças que acometam a cavidade bucal. Ao contrário do que muitos possam pensar, a estomatite afeta a boca e não o estômago, e geralmente é provocada pelo vírus da herpes simples. Quando de uma gripe ou de alguma condição que deixa a pessoa com a imunidade baixa estes microrganismos agem, levando ao desenvolvimento da estomatite. Outros microrganismos como fungos e bactérias também podem provocar estomatite, assim como ela pode ter origem em outras causas.

Lesões na boca e tabagismo são outras das causas da estomatite. O consumo exagerado de álcool também pode levar à condição, assim como passar por sessões de quimioterapia ou de radioterapia, por exemplo. Úlceras orais, cáries, uso de aparelhos dentários e doenças que afetem a imunidade, tais com lúpus e AIDS podem levar também ao desenvolvimento de uma estomatite.

Os sintomas da estomatite são basicamente vermelhidão na gengiva, pequenas erupções redondas na gengiva e bolhas que se rompem dando origem a úlceras orais. Outros sintomas da estomatite são aftas por toda a boca, especialmente na língua, na gengiva e no começo da faringe, bem próximo às amígdalas. A pessoa pode também vir a sentir febre, irritabilidade, dor na boca, falta de apetite, dor de cabeça e dificuldade para comer. Os sintomas da estomatite tendem a durar, em média, cerca de 2 semanas, sendo a primeira semana a mais difícil de se lidar, pois a boca fica bastante sensível e a dor pode ser intensa. O tratamento irá variar de acordo com o que vem provocando a condição. Geralmente ele é feito à base de antivirais, de analgésicos tópicos e de uma dieta rica em líquidos Corticosteroides podem também ser receitados em alguns casos, sendo que, em casos de infecções bacterianas, podem ser receitados medicamentos antibióticos para pôr um fim à condição. Na grande maioria das vezes a estomatite é tratada sem grandes complicações. Durante tratamento é indicado não beber líquidos nem muito quentes, nem muito frios, para que a condição não se agrave e para que o tratamento seja mais rápido.

Lábios Ressecados

Entre os responsáveis pelo ressecamento dos lábios nesta estação estão o ar condicionado, o frio e o vento, que atingem em cheio o rosto. Como são altamente sensíveis, essas situações acabam por deixar a boca cheia de machucados, o que, além do desconforto, prejudica o visual.

Um primeiro passo para evitar o ressecamento é beber bastante água. Outro cuidado importante é caprichar nos hidratantes labiais potentes. Procure nos rótulos as fórmulas que contenham ao menos alguns destes ativos: dexpantenol, ceramidas, vitamina E e A, bisabolol, manteiga de karité, manteiga de cacau, ácido hialurônico, silicones e cera de abelhas. A aplicação destes produtos deve ser feita sem moderação, várias vezes ao longo do dia, já que ao comer, beber e falar removemos progressivamente os ativos em contato com os lábios.

Durante o tratamento das rachaduras, evite escovar os dentes ou lavar o rosto com água quente, para não agravar o ressecamento. E, mesmo no frio prevaleça, não esqueça o protetor solar para os lábios.

Prevenção Ciclista

Ultimamente, um número cada vez maior de acidentes envolvendo ciclistas, até com vítimas fatais, tem sido observado. Não há dúvidas de que as ciclovias resguardam a vida do ciclista, porém, o uso do Equipamento de Proteção Individual (EPI) é indispensável para garantir a segurança do ciclista que compete, mas também daquele que usa a bicicleta para passeio ou para trabalhar.

— Adquiri-los, é uma obrigação para qualquer que um que opta pela vida saudável, mas não quer arriscar sua vida. Capacete, espelho, óculos, buzina e adesivo refletivo devem ser mais do que acessórios para quem vai andar de bicicleta.

— No Código Brasileiro de Trânsito apenas o espelho retrovisor, a buzina e o adesivo refletivo são descritos como equipamentos obrigatórios de segurança para bicicletas. No entanto, os especialistas aconselham também a utilização do capacete, luva, óculos e faróis – os chamados itens opcionais – para todos que querem pedalar.

— A instalação dos acessórios é considerada fácil e pode ser feita em casa pelo próprio ciclista ou em casas especializadas. O importante é ninguém sair pedalando antes de equipar a bike já que os itens ajudam a garantir a segurança das pessoas.

Outras dicas importante de prevenção contra acidentes é andar em ciclofaixas e, caso não haja, andar sempre próximo das calçadas; não pedalar com fone de ouvido, pois tira a atenção; sinalizar sempre que for parar ou dobrar e, se possível, andar sempre em grupo para se tornar mais visível e sempre manter a bike revisada.

Tuberculose

A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio chamado “bacilo de Koch”. É uma doença contagiosa, quer dizer, que passa de uma pessoa para outra. É uma doença que atinge principalmente os pulmões, mas pode ocorrer em outras partes do nosso corpo, como nos gânglios, rins, ossos, intestinos e meninges.

 

PNEUMONIA OU GRIPE MAL CURADAS PODEM CAUSAR A TUBERCULOSE?

Não. Como já foi dito, a tuberculose é causada por um micróbio chamado “bacilo de Koch”, que não tem “ligação” com a pneumonia e a gripe. Sem o bacilo de Koch, não existe a tuberculose. Exposição a friagem (como por exemplo, “abrir geladeira sem camisa” e “tomar gelado”) também não causam tuberculose, pelo mesmo motivo.

Higiene Bucal

A boa higiene bucal é a condição essencial para manter um sorriso bonito e saudável durante toda a vida adulta. Os adultos também têm cáries e doenças gengivais que podem tornar-se problemas sérios. Durante toda sua vida de adulto é essencial que você continue a:

  • Escovar os dentes no mínimo três vezes ao dia usando um creme dental com flúor para remover a placa bacteriana, aquela película pegajosa que se forma sobre os dentes e que é a principal causa da gengivite e das cáries.
  • Usar fio dental diariamente para remover a placa bacteriana que se instala entre os dentes e sob a gengiva. Se a placa não for retirada, pode endurecer e formar o tártaro, que só poderá ser retirado pelo dentista.
  • Limitar a ingestão de açúcares e alimentos que contêm amido, principalmente alimentos pegajosos. Quanto mais você come entre as refeições, maior a oportunidade dos ácidos da placa bacteriana conseguirem atacar o esmalte dos dentes.
    Consulte seu dentista periodicamente para um exame profissional detalhado ou uma limpeza.

Alergia Respiratória

As instabilidades do clima (um dia que amanhece ensolarado, mas de repente esfria logo no início da tarde), fazem com que retiremos aquele casaco ou edredon que ha meses mora no armário. E com eles, vem outros minúsculos e indesejáveis moradores;  os ácaros, que junto com as gripes, resfriados, rinites e asmas ocasionados pelas oscilações climáticas, podem despertar as complicacões respiratórias. Preparamos dez dicas que podem prevenir e combater as crises respiratórias:

Conheça 10 dicas eficazes que combatem e previnem as crises de alergia respiratória:

  • Mantenha a casa arejada – isso evita a proliferação de ácaros e fungos, principalmente nos quartos,  local onde as pessoas dormem e normalmente passam um período de tempo maior;
  • Use sempre cortinas de algodão laváveis – cortinas e persianas facilmente se tornam depósitos de poeira, que podem conter pelo de animais, esporos de fungos e outros agentes alergênicos;
  • lave a persiana uma vez por semana;
  • Livre-se de objetos que acumulam poeiras – livros e bichos de pelúcia, este último principalmente (perfeito para a proliferação de ácaros, pois acumula umidade e é de difícil limpeza), são
  • objetos que facilmente guardam poeira;
  • Limpe o chão com pano úmido – isso evita a suspensão do pó, quando o chão é limpo por vassouras, o que favorece crises alérgicas;
  • Limpe a casa com água sanitária – a eliminação do “mofo” é mais eficaz usando água sanitária para a limpeza da casa, controlando a umidade, evitando assim, a proliferação de fungos;
  • Lave cobertores e casacos antes do uso – lave com água quente as roupas de frio e os cobertores antes de usá-los, isso ajuda a eliminar os causadores da alergia (ácaros e fungos), que se
  • aproveitam da umidade e falta de luminosidade, quando ficam por meses no armário;
  • Deixe os animais fora do quarto – o pelo dos animais domésticos é uma causa comum de alergia; o ideal é deixá-los longe dos quartos, tanto na hora de dormir, quanto ao longo do dia;
  • Retire os tapetes do quarto – ácaros e fungos vivem e se proliferam nos tapetes— sobretudo se a casa não está arejada suficientemente; além disso, acumulam muita poeira e pelos de animais;
  • Use soro fisiológico para limpar as narinas – a poluição e o ar seco, contribuem para que as narinas acumulem impurezas, podendo causar alguma irritação que desencadeia a alergia; o soro fisiológico ajuda a mucosa nasal a manter as vias respiratórias limpas;
  • Evite produtos com cheiro forte – produtos de limpeza ou aromatizadores usados para a casa, que exalam cheiros fortes, podem causar irritação e inflamação da mucosa nasal em pessoas que sofrem com alergia respiratória.

Compulsão Alimentar

VOCÊ SABIA? – O transtorno de compulsão alimentar periódica é caracterizado pela ingestão de grande quantidade de alimento em um período curto de tempo.

Essa compulsão gera no indivíduo a necessidade de comer mesmo que não esteja com fome, perdendo o controle em relação àquilo que ingere. Para ser considerado transtorno, esses episódios devem acontecer pelo menos duas vezes por semana em um período de seis meses.

A consulta ao psicólogo é sempre indicada para esses casos, pois a compulsão relaciona-se com o jeito de o sujeito lidar com a comida, o que muitas vezes advém de processos emocionais.

Hiperurecemia

É o nome que se dá ao índice elevado de ácido úrico na corrente sanguínea, ocasionado pelo aumento de sua produção e/ou redução de sua excreção pelo organismo. A sua prevalência cresceu nas últimas décadas e está associada à obesidade, síndrome metabólica, hipertensão arterial, insuficiência renal crônica, entre outros fatores. Sua principal consequência é a Gota, doença caracterizada pela inflamação das articulações, que sofrem com a deposição de cristais de ácido úrico.

Em síntese, as causas da hiperuricemia podem ser genéticas e/ou ambientais. Entre os fatores ambientais, a alimentação pode contribuir substancialmente para o quadro, representando um terço da produção de ácido úrico no organismo, como resultado da quebra de moléculas de purina, proteína presente nos alimentos. Como parte do tratamento, a terapia nutricional é recomendada, porém, pouco se sabe atualmente sobre a quantidade precisa de purinas presentes nos alimentos.
Lembre-se! Dietas específicas e individualizadas devem ser orientadas em consulta com um nutricionista.

Lombalgia

A lombalgia pode ser definida como uma dor na região lombar, ou seja, na região mais baixa da coluna perto da bacia.A dor pode se estender para a região das nádegas, face posterior das coxas mas não muito além do joelho, sem comprometer um trajeto de nervo específico.

De acordo com o site minha vida, um por cento dos pacientes com lombalgia aguda tem ciática, que é definida como dor irradiada para o território de uma raiz nervosa lombar, frequentemente acompanhada de sintomas como dificuldade para andar e formigamento.

É um problema muito prevalente e pode ser causa de incapacidade. Mais de 90% da população mundial sofre episódio de dor lombar em algum momento da vida e a lombalgia é a segunda causa mais frequente de procura pelos serviços médicos.

Endometriose

Doença caracterizada pela presença do endométrio – tecido que reveste o interior do útero – fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga.

Todos os meses, o endométrio fica mais espesso para que um óvulo fecundado possa se implantar nele. Quando não há gravidez, esse endométrio que aumentou descama e é expelido na menstruação. Em alguns casos, um pouco desse sangue migra no sentido oposto e cai nos ovários ou na cavidade abdominal, causando a lesão endometriótica. As causas desse comportamento ainda são desconhecidas, mas sabe-se que há um risco maior de desenvolver endometriose se a mãe ou irmã da paciente sofrem com a doença.

É importante destacar que a doença acomete mulheres a partir da primeira menstruação e pode se estender até a última. Geralmente, o diagnóstico acontece quando a paciente está na faixa dos 30 anos.

Hoje, a doença afeta cerca de seis milhões de brasileiras. De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose, entre 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva (13 a 45 anos) podem desenvolvê-la e 30% tem chances de ficarem estéreis.

Fonte: Dr. Sergio dos Passos Ramos CRM17.178 – SP

O poder da água

Um copo antes de acordar ajuda a ativar os órgãos;
Um copo 30 minutos antes da refeição facilita a digestão;
Um copo antes de tomar banho auxilia na diminuição da pressão sanguínea;
Um copo antes de dormir pode ajudar a evitar derrame cerebral e ataques cardíacos.

Beba muita água, seu corpo e pele agradecem.

Tosse

Ela pode estar relacionada a várias doenças, sendo a grande maioria causada por gripes, resfriados, pneumonia, asma, bronquite, faringites, sinusites e inclusive a problemas cardíacos. Ela também pode ser provocada por doenças do aparelho digestivo e algumas vezes por medicações.

Geralmente a tosse é provocada por doenças simples e sem muita gravidade – podendo durar até três a quatro semanas sem ser obrigatoriamente um motivo de preocupação para o paciente.

Nessas situações a consulta no pronto atendimento não é necessária. O alerta pode ser controlado com hidratação e boa alimentação.

Devemos buscar atendimento no pronto atendimento quando:

  • tosse persistir por mais de 3 semanas;
  • tosse acompanhada de secreção abundante e de coloração amarelada ou esverdeada ou sanguinolenta;
  • tosse com presença de febre que dure mais de dois a três dias;
  • tosse com falta de ar ou dor no tórax ao respirar.

Caso apresente um desses sintomas, procure o médico para uma avaliação e investigação!

05 sinais que podem apontar que você está com depressão

1-) Você se sente sempre cansado ou esgotado

Você se sente constantemente cansado, lento e fisicamente esgotado. Atividades que você realizava antigamente sem muitos esforços, agora parecem pesados e levam mais tempo para ser concluídos.

Vale ressaltar que nem todos que sofrem com a depressão vão necessariamente sofrer com esse sintoma, mas ele é extremamente comum.

 

2-) Você deixou de realizar atividades que realmente amava

O total ou parcial desinteresse em atividades que você sempre gostou de fazer, como tocar um instrumento, praticar um esporte, cozinhar e etc, pode significar que você está depressivo.

 

3-) Seus hábitos alimentares estão anormais

A mudança no seus hábitos alimentares podem mudar principalmente por 2 motivos: O primeiro deles é o caso da pessoa que passa a comer muito mais do que era acostumada, neste caso a pessoa encontra na comida a sua única fonte de prazer.

Já no segundo caso, o depressivo deixa de comer a quantidade convencional, para comer praticamente nada, e a depressão afeta o seu apetite tornando o ato de comer algo desagradável.

 

4-) Você se irrita facilmente, coisa que não acontecia antes

As pessoas frequentemente andam te dizendo que você está muito estressado? Muitas vezes você pode não perceber o quanto a sua taxa de estresse realmente está alta, mas começa a acreditar e concordar com as pessoas a sua volta quando nota os efeitos colaterais que o estresse excessivo está te causando. Pois bem, este também é um sintoma da depressão.

 

5-) Aumento da sensação de dor física

O aumento de queixas físicas tem aumentado? Sente que recentemente você tem sofrido mais com dores de cabeças, dores nas costas, musculares ou até mesmo de estômago? Bom, depressivos tendem a sofrer excessivamente mais com dores físicas em seus corpos.

Lembrando mais uma vez, que o diagnóstico desta doença só pode ser feito por um profissional da área, e que a nossa intenção é apensas alertar sobre os riscos, e incentivar as pessoas que se identificaram com esses sintomas a procurarem a ajuda de um profissional.

Fitofotodermatose ou Fitofotodermatite?

Você sabe o que é a fitofotodermatose ou fitofotodermatite? Talvez não pelo nome, mas já sofreu ou conhece alguém que ficou com manchas na pele após derramar, por exemplo, suco de limão e ficar exposto ao sol, certo? Por isso o problema é ainda mais frequente no verão.

E engana-se quem imagina que apenas o limão pode provocar manchas. Algumas plantas e outras frutas ácidas, como a laranja e a tangerina, também são capazes de desencadear o problema. Além disso, perfumes, refrigerantes, desodorantes também podem desencadear, quando em contato com o sol, a fitofotodermatose ou fitofotodermatite.

Dicas de verão

A cena é comum nas praias brasileiras: pessoas oferecendo e fazendo tatuagens temporárias de hena – tintura preparada com o pó das folhas secas da planta de mesmo nome. E o que parece inofensivo, afinal elas são um sucesso entre as crianças, mas pode ser perigoso para a saúde. Apesar de serem temporárias, não significa que estamos livres das alergias.

O problema, na grande maioria dos casos, é a adição de substâncias que alteram a hena – um pigmento avermelhado que sai facilmente com a lavagem. A tinta geralmente vem de fonte desconhecida e é misturada com produtos químicos sem origem confiável, como o diamino tolueno e os diamino benzenos, substâncias que aumentam o risco de sensibilização da pele (alergias).

Milho verde, pastel, espetinho de camarão frito, caldinho de feijão, sorvete, chá mate, cocada, empada… A lista de alimentos comercializados nas praias brasileiras é enorme. Mas é seguro consumir esses produtos, com origem desconhecida e conservação duvidosa? E como evitar a desidratação sob o sol e calor do verão?

A temperatura dos alimentos é um bom sinal da qualidade do produto vendido, assim como o seguimento das regras de armazenamento e preparo de cada tipo de alimento. Verifique a higiene do local onde os alimentos são comercializados, assim como o cheiro e o gosto do alimento. Observe se os alimentos estão com boa aparência e odor adequados. Caso fique em dúvida, não coma.
Os cuidados com a conservação também devem ser observados com a comida levada para praia. Evite levar alimentos que estraguem fora de refrigeração. Recipientes térmicos ou com bastante gelo podem ajudar a manter a temperatura dos alimentos frescos, mas possuem um tempo limitado e variável de conservação. O cuidado deve ser redobrado com o que é oferecido às crianças e idosos.
Também é importante observar o aspecto e a higiene pessoal do vendedor: unhas limpas e aparadas, cabelo preso com touca e uniforme limpo são características importantes.

Catapora em adultos

Uma pessoa adulta ou idosa também fica vulnerável à catapora, especialmente às que estão com o sistema imunológico debilitado. Todos os que ainda não tiveram catapora devem ficar atentos à possibilidade de desenvolver a condição, de forma a saber identificar os sintomas.

A catapora em adultos é mais perigosa do que em crianças devido a estas complicações. Quando não leva ao óbito, uma invasão do vírus no cérebro pode provocar paralisas e problemas motores. Outras possíveis complicações de uma catapora em adultos são pancreatite, hepatite e infecção na retina. Além disso, outras complicações que ocorrem em adultos é quando o vírus invade os pulmões o indivíduo pode vir a sofrer de pneumonias. Já quando invade o cérebro as complicações são ainda maiores, podendo levar a convulsões e até mesmo à morte.

Quer emagrecer? Então comece a consumir este 6 alimentos

Quem quer ou precisa perder peso geralmente se vê diante da temida pergunta: “eu não vou passar fome?”. De fato, não é ideal que a perda de peso cause sofrimento, e, para ajudar você nesse sentido, resolvemos compartilhar uma lista de alimentos divulgados pela revista Time. Eles são conhecidos por atuar como aliados de quem quer emagrecer. Descubra a seguir quem são eles:

1 – Chá verde ajuda a esvaziar células de gordura

2 – Bebida espumosa desnatada é boa para não ficar “beliscando” coisas

3 – Leguminosas fazem com que você se sinta satisfeito

4 – Abacate diminui seu apetite

5 – Iogurte grego é ótimo para quem come por impulso

6 – Bananas equilibram seu intestino

Cuidados com sua coluna

Excesso de peso, falta de exercício físico e hábito de permanecer muitas horas sentado de forma incorreta prejudicam o alinhamento adequado da coluna vertebral e podem causar dores na região lombar, podendo irradiar para a região glútea, posterior da coxa, e chegando aos membros inferiores. A coluna se estabiliza com ajuda da musculatura paravertebral e abdominal. Quando há fraqueza nessa musculatura, a estabilidade fica prejudicada, podendo sobrecarregar os discos entre as vértebras. A obesidade e o sedentarismo podem piorar o quadro.

O ciático é o maior nervo do corpo humano, é a junção de todas as raízes nervosas do plexo lombar. A dor ciática pode ser causada pela inflamação desse nervo ou por compressão de alguma raiz nervosa do plexo lombar, que pode ser causada por diversas condições.

Mal estar quando viaja de ônibus ou de carro?

É difícil encontrar alguém que não goste de viajar, mas não é nada raro descobrir pessoas, especialmente crianças, que passam mal quando pegam a estrada. Se estamos sempre em movimento, por que viajar faz com que muita gente se sinta enjoada?

De acordo com o neurocientista Dean Burnett, que deu uma entrevista recentemente à NPR, o estômago de algumas pessoas pode lidar com o ato de pegar a estrada da mesma maneira que lidaria com o envenenamento. Em termos de evolução, nós, humanos, andamos de carro há pouquíssimo tempo, e nosso cérebro ainda não se acostumou com isso.

Quando estamos em um veículo, nosso cérebro recebe informações paradoxais: a de que estamos parados e a de que estamos nos mexendo. Essa mistura de conteúdo faz com que a parte do ouvido responsável por nos manter em equilíbrio entre em parafuso.

Essa região contém um líquido que se nivela quando estamos equilibrados. Por causa disso, sabemos se estamos deitados ou não, retos ou inclinados sem precisarmos enxergar para isso. Quando estamos em um carro em movimento, esse líquido faz com que tenhamos a noção de que não estamos parados – por outro lado, nossa visão e a falta de movimentação muscular nos dizem que estamos, sim, parados. Aí fica difícil.

Esse conflito entre movimento e não movimento é ainda maior para quem está no banco traseiro do veículo, que é o lugar onde o passageiro tem menos visão externa e não se mexe de maneira alguma – ainda assim, o ouvido tem a mensagem de que a pessoa está a uma velocidade alta.

Envenenamento

No final das contas, em termos neurológicos, a região cerebral que nos dá o veredito sobre estarmos parados ou não é o tálamo. Em alguns casos, o martelo é batido e o veredito não é nem de movimento nem de estática, mas de que a pessoa foi envenenada. Isso acontece porque, em relação a termos evolutivos, uma das coisas que nos fazem perder a noção dos sentidos são as chamadas neurotoxinas.

Quando nosso corpo acha que fomos envenenados, uma das primeiras coisas que ele faz é nos deixar enjoados, em uma tentativa de nos ajudar a eliminar possíveis toxinas. É por isso, então, que algumas pessoas vomitam, ficam tontas e têm dor de barriga quando viajam. A solução? De acordo com Burnett, olhar pela janela ajuda nosso cérebro a entender que estamos em movimento, ainda que sentados.

Se você é do tipo que passa mal, evite focar sua atenção em atividades estáticas, como a leitura. O negócio é fazer com que o cérebro entenda o que está acontecendo e, claro, levar sempre um saquinho plástico – eles não estão nos ônibus à toa – para casos de emergência.

Alzheimer

O Alzheimer não é só genético, depende também da vida que levamos.

O Alzheimer costuma ser bastante associado a fatores genéticos. Porém, eles não são a única (e talvez nem mesmo a principal) causa da doença. Estudos estimam por exemplo que 50% dos pacientes que hoje convivem com o Alzheimer poderiam não ter desenvolvido o problema caso tivessem levado uma vida diferente.

É o que mostra o neurologista Fabiano Moulin em um vídeo divulgado pelo canal do Youtube da Casa do Saber. Fabiano é membro da Academia Brasileira de Neurologia e especialista em neurologia da cognição e do comportamento e explica como nossos hábitos interferem no desenvolvimento da doença.

Segundo ele, um dos principais responsáveis pelo Alzheimer é a maneira como nossa sociedade se organiza. O especialista lembra que coisas simples como realizar atividades físicas ou evitar comer carboidratos simples podem diminuir as chances de desenvolver Alzheimer em até 50%, enquanto aprender uma segunda língua retardaria o aparecimento da doença em cinco anos.

A Casa do Saber é um espaço que oferece cursos, palestras e oficinas enfocando diversas áreas do conhecimento em São Paulo e no Rio de Janeiro. Através de seu canal do Youtube, professores da casa fazem vídeos sobre temas que vão da depressão ao livre arbítrio e prometem ser uma ótima fonte de inspiração para suas ideias.

A importância dos óculos de sol

Os óculos de sol são importantes aliados na defesa da nossa visão contra os raios nocivos emitidos pelo sol, que podem causar problemas graves à saúde ocular. No entanto, os óculos de sol piratas oferecem riscos à saúde ocular, já que não oferecem a proteção necessária contra os raios UV do sol e, assim, não cumprem o principal papel do acessório.

A luz intensa do sol pode causar danos permanentes à visão e à pele, como queimaduras. Além de se usar óculos de sol, é muito importante usar protetor solar para proteção da pele. E mais: toda essa proteção não é só para a hora de ir à praia. Sempre que sair o sol, não dispense o óculos de sol e o protetor solar.

Cuidados com os olhos

Quando o clima está seco, as lágrimas também evaporam mais, o que faz com que as pessoas tenham a sensação de olho seco. Neste caso, os olhos ficam mais vulneráveis a alergias e a conjuntivites. O ar condicionado agrava ainda mais a situação.

Para aliviar a secura dos olhos, o médico recomenda que as pessoas usem colírios do tipo lágrima artificial. As lágrimas artificiais não necessitam de prescrição. O que acontece nesses períodos é que muitas pessoas lançam mão do colírio que têm em casa. Aumenta automedicação com colírios vasoconstritores, que têm princípios ativos que, usados indiscriminadamente, até ressecam mais o olho. Outras dicas são evitar coçar os olhos e higienizar bem as mãos antes de tocar os olhos, no caso das pessoas que usam lentes de contato.

Herpes

Herpes simples é uma infecção viral comum que se caracteriza pelo surgimento de pequenas bolhas ao redor dos lábios e/ou dos genitais – mas que também podem aparecer em qualquer outra parte do corpo.

Uma vez reativado, o herpes se apresenta da seguinte forma:
• Inicialmente pode haver coceira e ardência no local onde surgirão as lesões.

  • a seguir, formam-se pequenas bolhas agrupadas como num buquê sobre área avermelhada e inchada.
  • As bolhas rompem-se liberando líquido rico em vírus e formando uma ferida. É a fase de maior perigo de transmissão da doença.
  • A ferida começa a secar formando uma crosta que dará início à cicatrização.
  • A duração da doença é de cerca de 5 a 10 dias.

O tratamento deve ser orientado pelo seu médico dermatologista. É ele quem pode determinar os medicamentos mais indicados para o seu caso que, dependendo da intensidade, podem ser de uso local (na forma de cremes ou soluções) ou de uso via oral, na forma de comprimidos.

Vitamina D

A principal função da vitamina D no organismo é facilitar a absorção de cálcio pelo organismo, que é essencial para o desenvolvimento saudável dos ossos e dos dentes. Além de melhorar a saúde óssea, a vitamina D previne doenças como obesidade e diabetes.

A vitamina D é importante para regulação do metabolismo ósseo, e age como hormônio mantendo em quantidades adequadas o cálcio e fósforo presentes no sangue, através do aumento ou diminuição da absorção desses componentes no intestino delgado.

As funções da vitamina D no organismo são:

  • Aumentar a absorção do cálcio e do fósforo no intestino;
  • Fortalecer ossos e dentes, tornando-os mais saudáveis;
  • Prevenir doenças como obesidade, diabetes, hipertensão e esclerose múltipla;
  • Aumentar a produção de músculos;
  • Melhorar o equilíbrio;
  • Fortalecer o sistema imunológico;
  • Melhorar a saúde cardiovascular;
  • Prevenir alguns tipos de câncer, como os de cólon, de reto e da mama;
  • Prevenir o envelhecimento precoce.

Os benefícios da vitamina D são obtidos através do consumo regular de alimentos ricos nessa vitamina e da exposição solar, que ativa a produção de vitamina D na pele.

Tabaco

O consumo de cigarro aumenta o risco de problemas no coração e na circulação, tais como hipertensão, entupimento dos vasos e infarto. Quando consumida nas primeiras vezes provoca tonturas, formigamento e alterações discretas do humor e do estado de vigília. Esses sintomas são principalmente perceptíveis nos primeiros episódios de consumo, sendo progressivamente menos percebidos com o uso frequente (tolerância).

Ao tragar a fumaça do cigarro, uma grande quantidade vai para os pulmões e passa para o sangue, atingindo o seu cérebro em alguns segundos. O cigarro contém mais de 4.700 substâncias, algumas cancerígenas e outras diretamente tóxicas para vários órgãos do corpo. Desse modo, vê-se que o consumo de cigarro é responsável por graves danos aos pulmões, como insuficiência respiratória, asma, bronquites e câncer. A maioria das mortes que poderiam ser evitadas é causada pelo uso do cigarro.